30 de ago de 2011

Que susto! Aja coração!!!

Tudo estava caminhando na mais perfeita ordem. Peguei a Clara na casa da Alê hoje e vim pra casa com ela. Chegando em casa, me deparei com aquele odor no bumbum e vi que ela tinha feito cocô. Tirei a calça dela, acomodei ela no sofá e falei: " Clarinha, a mamãe vai pegar a fraldinha, não se mexe!". Ai que ilusão, corri pra pegar a fralda no quarto e quando volto, vejo ela caindo do sofá... Que dó da minha bichinha. Chorou mais pelo susto, pois acabou caindo em cima do meu sapato, mas mesmo assim, entrei em pânico né? Quem quer ver seu bebê caindo do nada, sem precisão? Me senti a mais desnaturada das mães, meu coração disparou, minhas mãos ficaram trêmulas, só por Deus. E eu aqui sozinha com ela.
Observei a cabecinha dela, pra ver se tinha algum rozinho, parte mole e as reações dela. Ela chorou pouco e logo voltou a brincar. Na hora de trocá-la, ela chorou um pouco e fiquei na dúvida se poderia ser do tombo ou de sono. Na dúvida, não deixei ela dormir e a observei. Ela voltou ao normal, brincou com nossos cães, dançamos na sala, ela mamou e dormiu agora (22:30h). Daqui a 2 horas, vou acordá-la para ver se ela está bem. Por um descuido, toda essa preocupação.

Sei que tombos são super normais de acontecer, principalmente quando o bebê começa a virar, mas eu sou tão cuidadosa, que me sinto culpada, por essa fração de segundos.

Fui conferir se o procedimento adotado, foi o correto após o tombo. Veja abaixo algumas informações úteis:

O que fazer em caso de quedas?


Sempre que o bebê leva um tombo grande -- do sofá, da cama, do trocador, do berço ou do cadeirão, por exemplo --, é necessário examiná-lo com atenção para ver se não há nenhuma lesão mais séria, principalmente se ele tiver batido as costas ou a cabeça no chão.

É preciso verificar se não há ossos quebrados, lesões internas ou uma concussão. Quedas podem ser graves em bebês, mas a boa notícia é que os ossos deles são mais flexíveis, portanto não se quebram tão fácil quanto os de crianças maiores.

Se o bebê parece estar bem, agindo normalmente, o mais provável é que a queda não tenha tido consequências mais graves. Mas fique de olho nele durante as 24 horas seguintes, especialmente se ele tiver batido a cabeça.

Siga seus instintos e prefira a precaução: se você acha que a queda foi muito grande, e que não é possível que ele não tenha se machucado, ou se o bebê estiver muito irritado ou agindo estranho, leve-o ao médico para um exame.


Em que situações preciso levá-lo para o pronto-socorro?

Procure ajuda médica nos seguintes casos:

• Se o bebê desmaiar. Caso você ache que ele não está respirando, grite por ajuda e faça manobras de ressuscitação imediatamente. Se você estiver sozinha com o bebê, primeiro faça a ressuscitação nele por dois minutos e depois telefone pedindo ajuda.

• Se o bebê estiver sangrando e o sangramento não parar quando você pressiona uma gaze ou um pano sobre o ferimento. Batidas na boca às vezes sangram muito, mas nem sempre são graves. Pressione um pano limpo e dê alguma coisa gelada para o bebê chupar. O sangramento deve parar.

• Se o bebê estiver respirando mas não reagir quando você fala com ele, ou se você não conseguir acordá-lo (mesmo que ele estivesse aparentemente bem depois da queda, mas apresente os sintomas horas mais tarde).

• Se houver sinais de fratura: braço ou perna desalinhados, um pulso meio torto, ou quando o bebê dá indícios de que sente dor quando apóia o braço no chão ou faz algum movimento (talvez você só note isso horas depois da queda).

• Se houver sinais de fratura no crânio: uma área "fofa" no osso, especialmente dos lados da cabeça (acima ou atrás da orelha); presença de sangue no branco dos olhos ou saída de sangue ou de um líquido cor-de-rosa pelo nariz ou pelas orelhas.

• Se houver sinais de concussão (quando o cérebro é afetado pelo traumatismo ou batida na cabeça), como: pupilas desiguais, vômitos seguidos e sonolência maior que o normal. Dependendo da idade do bebê, observe se há mudanças no modo como ele engatinha ou anda, se ele parece mais fraco ou confuso, ou se há sinais de problemas de fala, visão ou coordenação motora.

• Se o bebê não parar de gritar ou chorar depois de meia hora, por mais que você tente acalmá-lo.

• Se o bebê tiver um corte que pareça profundo, especialmente no rosto e em partes do corpo que se movimentam muito. Talvez seja preciso dar pontos. Na dúvida, não espere até o dia seguinte: os pontos funcionam melhor quando dados em até oito horas após o acidente.

É verdade que não devo deixar o bebê dormir depois da queda?

 

A vantagem de manter a criança acordada depois da queda é que fica mais fácil observar seu comportamento. Não é o fato de o bebê dormir que vai agravar a lesão, se houver uma. A questão é que um dos sintomas de que há problemas mais sérios em consequência de uma queda é justamente não conseguir acordar a criança. Daí a impressão de que o sono é o culpado.

O que os médicos recomendam é procurar observar bem a criança. Caso o acidente tenha acontecido perto da hora de dormir, procure manter seu filho acordado por cerca de uma hora após a queda. Depois disso, pode deixá-lo dormir, mas o acorde cerca de duas horas depois, só para ver se ele responde (ele obviamente vai estar sonolento, se for no meio da noite. Desde que reaja, não há problema), e mais uma vez até o amanhecer. Se você for ficar mais tranquila, durma com ele.

Depois do estresse da queda e de toda a choradeira, é normal que as crianças fiquem exauridas e precisem de uma soneca. Por isso, caso o acidente tenha acontecido durante o dia, deixe seu filho descansar mais ou menos depois de uma hora da queda, e procure acordá-lo depois da duração costumeira da soneca diurna.

Se em qualquer momento você não conseguir acordar o bebê, leve-o ao pronto-socorro.

Como cuidar do "galo"?

 

É normal surgir um galo bem grande em batidas na cabeça. Tente não se assustar, pois o galo é mais feio do que grave. A compressa com gelo envolto em um pano ajuda o inchaço a diminuir, mas não é imprescindível -- às vezes o bebê pode se assustar e gritar mais ainda, o que só vai piorar a situação de vocês dois.

Se o bebê parecer estar com dor, você pode perguntar ao pediatra sobre a possibilidade de dar algum analgésico, como o paracetamol, na dose indicada.

Por isso mamães, tomem muito cuidado com seus bebezinhos. Muito cuidado. Se ficarem no carrinho, sempre deixar afivelado o cinto de segurança, no bebê conforto também... todo cuidado é pouco, não é mesmo?!

Fonte: Baby Center

Até a próxima!



Um comentário:

Dona Mocinha - Taly Watanabe disse...

Oláaa Thais, nem me fale em quedas, não posso mentir: isso já aconteceu comigo tb, aliás 2 vezes, uma ela caiu do carrinho, outra ela caiu da cama aliás foi assim que descobri que ela começava a engatinhar...que sustoo que passamos..

Acho legal vc falar sobre isso. Hj nos blogs as mamães só querem mostrar a mãe perfeita, e jamais mostram a parte falha, que como seres humanos erramos sim...

Adoreeei..

Obrigada pela visita, por seu comentário e por sua amizade..posso te considerar como uma amiga virtual e quem sabe um dia real?