29 de ago de 2011

Leite Materno x Alimentação da Mamãe



Este post dedico à minha cunhada, a Pathy, mãe do Dudu, o pequeno príncipe de 23 dias, que nasceu para alegrar ainda mais as nossas vidas. Ela me perguntou esses dias sobre o que comer para não dar cólicas ao bebê e baseado nas minhas experiências e principalmente após o nascimento da Clara, vou tentar ajudar a esclarecer algumas dúvidas.

A primeira pergunta que nos fazemos depois do nascimento dos nossos bebês é se vamos ter leite suficiente para nutrí-los adequadamente. Depois de 12 anos, a minha segunda gravidez, foi como se fosse a primeira, pois não me lembrava de muita coisa que havia passado com o meu filho mais velho. Apenas uma coisa não tinha como esquecer: Eu fui uma "vaquinha leiteira"kkkk. Tive muito leite na gravidez do Cauê e esperava o mesmo com a gravidez da Clara. Quando a enfermeira trouxe a Clara para a 1ª amamentação e eu não via nada de leite nos meus "peitões", já entrei em pânico e eis que veio uma enfermeira muito bondosa e disse que era normal, que o leite demoraria um pouco para descer (+/- 3 dias) e que o que o bebê estava mamando era suficiente e importante para ele naquele momento. O que ela estava falando era do colostro, aquele primeiro líquido que sai, que para nós parece que nunca vai sustentar nossos bebês e na verdade é um verdadeiro escudo para as defesas do organismo deles.

Comigo, no segundo dia no hospital, o leite começou a descer discretamente, mas quando tive alta e cheguei em casa, "o bicho pegou" literalmente, era leite jorrando pra tudo quanto é lado rsrs. A Clara se esbaldava, mamava muito e às vezes até engasgva e eu morria de medo, né? Eu tinha tanto leite, que antes de dar de mamar, eu tinha que tirar um pouco com medo dela "sufocar". Aos poucos fomos nos acostumando e tudo fluiu muito bem. Eu tinha muita fome, sede, fome, sede, mais fome, mais sede e comia pra valer. Até que recebi visitas de pessoas que me falavam: " Você não pode comer isso, não pode comer aquilo, não pode beber isso, nem aquilo..", pensei: minha nossa, se tudo isso fizer realmente mal a Clarinha, vou ter que começar a fazer um regime urgente e cortar tudo isso que estão falando. Mas será que tudo o que comemos faz mal mesmo ao bebê?

Em uma consulta com o pediatra, ele me fez a seguinte pergunta: Pela evolução da Clara, ela está muito bem, obrigado e você como está se alimentando?

Foi aí que disse ao pediatra que algumas pessoas haviam me dito que não poderia comer uma série de alimentos e ele pediu para que eu listasse, o que havia cortado da minha alimentaão e eis que após dizer tudo desde o oi, levei uma baita bronca! :(

Os alimentos listados ao pediatra foram:

- Feijão
- Repolho
- Couve
- Suinos e embutidos
- Refrigerante
- Café
- Chá Preto

Para esclarecer de uma vez por todas, o pediatra me disse que não há que se fazer regime e nem cortar alimentos do cardápio, pois nós que estamos na fase da amamentação, precisamos de todos os nutrientes necessários para produzir mais leite e pediu para eu voltar a minha alimentação normal e que isso era tudo mito, mas que eu deveria sim não consumir algumas coisas:

- Tudo o que contivesse cafeína (café, coca-cola, pepsi)
- Chá Preto
- Chocolate
- Anestesias que contivessem xilocaína e tudo que terminasse em ína
- Temperos mais fortes (Curry, Pimentas em geral)
- Bebidas Alcóolicas

E assim o fiz. Voltei com a alimentação normal e a Clara não teve cólica. Teve crises sim, quando eu esquecia e tomava algo da lista dos proibidos, mesmo que em uma quantidade mínima e foi assim até as últimas semanas. A Clara ainda mama no peito e aos poucos estou reintroduzindo um item da lista dos proibidos e por enquanto tem dado certo. Apesar de que eu já me acostumei sem os refrigerantes, chocolates, chá preto e pimenta (aliás, pimenta, EU PASSO!).

Veja ainda alguns detalhes adicionais sobre a amamentação:

Não existe mulher com o leite ruim ou leite fraco. Toda mãe produz o leite ideal para o seu filho. Portanto, nada de colocar mil caraminholas na cabeça achando que o seu bebê não está sendo bem alimentado.

É claro que mesmo assim toda mãe acaba se preocupando com o que come durante o período de aleitamento. As perguntas não param. Será que posso comer isso? Será que aquilo pode ser forte demais para o bebê?

A Dra. Sílvia Maria Baliero Nigro garante que não há razão para se preocupar. "A princípio não há alimentos proibidos para a nutriz. Em situações de suspeita de alergia alimentar no bebê, em aleitamento materno exclusivo, cujo diagnóstico é bem difícil, pode-se pensar numa dieta hipoalergênica para a mamãe".

O correto é manter uma alimentação sadia, com bastante leite, água e sucos, para estimular a produção de leite. Alguns bebês podem ser sensíveis a um determinado tipo de alimento que a mãe consome, então, se ingerir temperos fortes, por exemplo, fique de olho na reação do bebê. Ele pode ficar agitado ou apresentar alguma alergia. O ideal é optar por alimentos mais saudáveis.

É bom lembrar que durante a amamentação não há razão para iniciar uma dieta. Ela pode comprometer a produção e a quantidade de leite e, conseqüentemente, prejudicar a nutrição do bebê.

Para produzir uma boa quantidade de leite, a mãe necessita de uma alimentação balanceada, com aproximadamente 2500 calorias por dia, e muitos copos de água ou qualquer outro líquido, além de relaxar bastante. Ela pode aproveitar para descansar durante os períodos de sono do bebê, deixando afazeres e compromissos para outras pessoas. Nessa fase, todos têm que ajudar.

As mães vegetarianas devem redobrar os cuidados com a alimentação e se certificar de estar ingerindo vitaminas e minerais suficientes para alimentar ela e o bebê. Uma consulta com um nutricionista pode ser a melhor opção para elaborar um cardápio adequado, com refeições e lanches saudáveis.

E é claro que remédios, bebidas e fumo não combinam com amamentação. A mãe que amamenta deve lembrar sempre que essas substâncias perigosas podem ser transferidas para o leite materno. É por isso que a amamentação é contra-indicada para mães que sejam dependentes químicas.

Fonte:Paula R. F. Dabus - Guia do bebê

Realmente a gravidez da Clara, me fez enxergar a vida com outros olhos. Desde que descobri que estava grávida pela 2ª vez, curti cada etapa, achei e ainda acho o máximo e inexplicável como uma sementinha menor que um grão de arroz, se transforma nesses seres tão fofuchos, que nos dão alegria e força para viver, mas o que mais me impressiona é como tudo é tão perfeito em nosso corpo, que nos proporciona a oportunidade de alimentar o nosso bebê. Doideira isso, não? Feliz das mamães que como eu, puderam amamentar seus bebezinhos e sentiram esse sentimento tão mágico e unipotente de alimentar seus bebês. Sei também que existem mamães que por algum motivo, não conseguiram amamentar, mas acredito que não importa qual a fonte do leite, a satisfação de ver nossos bebês crescendo e bem nutridos, não tem preço!

Termino o post com algumas fotos desse momento tão gostoso e aproveitado 100% pela Clarinha.


Um comentário:

Pathy disse...

Nossa como é importante estas dicas, no inicio são tantas duvidas, precisamos sempre estar nos comunicando com as mamães mais velhas. Obrigada cunhadinha...